domingo, 6 de novembro de 2016

O desejo em ser amarrada

Faz um tempo que venho conversando com um Dominador.
Conversas calmas, sem nada daquela baboseira que sempre
comentamos por aqui.
Ontem enveredamos pelas práticas das quais gostamos ou não.
Um dos temas do nosso bate-papo foi o bondage.
O Sr. N, sempre muito discreto e direto
me fez a seguinte pergunta:
Gostas de ser amarrada?
Respondi que sim mas, que fazia muito tempo
que isso não acontecia.
Entre perguntas e respostas continuamos.
Não insisti no assunto e muito menos ele.
De repente o celular toca. Ouço a voz dele.
Forte e ao mesmo tempo serena.
Conversamos e rimos. Deixei-me levar pela voz dele.
Então veio a pergunta novamente:
Quer ser amarrada?
E a resposta afirmativa.
Ouvindo a voz dele eu simplesmente concordei.
Sem pensar, sem questionar.
O encontro foi marcado.
Segui as instruções para chegar ao lugar.
A única exigência meias 3/4 brancas...
Usei pretas porque só tinha essas.
Enquanto fazia o caminho para conhecer o Sr. N
me peguei pensando:
O que raios estou fazendo?
Minha resposta:
Estou vivendo meus desejos.
Desde o momento que sai de casa,
Ele sabia onde estava a cada passo.
Chegando próximo do local, toca o celular, atendo
e Ele me dá as últimas coordenadas.
Em questão de minutos estava em frente ao hotel.
Disse ao porteiro qual era o andar e o quarto,
ele interfonou e em seguida liberou minha entrada.
Entrei no elevador. Coração disparado.
Quando a porta do elevador abriu, Ele estava com a porta do quarto aberta me esperando.
Um homem alto, bem vestido e um sorriso no rosto.
Ele me estendeu a mão, trocamos um aperto e um beijo no rosto.
Fui convidada a sentar e entabulamos mais uma conversa.
Confesso que estava excitada e um pouco nervosa.
Sr. N foi muito gentil e carismático. Falando em voz baixa e calma.
Expôs seus argumentos. Como gosta de dominar. O que gosta ou não.
Ali eu era somente a submissa. Ouvia e quando sentia que podia falar, fazia perguntas. Não foi nada arquitetado.
Naquele momento éramos Dominador e submissa se entendendo e conhecendo dentro do nosso universo.
A conversa foi tão gostosa e natural, algo que admito nem sempre é fácil comigo.
Sr. N soube conduzir muito bem e me deixou leve.
De repente Ele diz:
Já que estamos aqui, quer ser amarrada?
Respirei fundo e disse sim.
Em instantes Ele estava nas minhas costas, sua mão na minha boca.
Fez-me levantar da cadeira. Colocou meu braço esquerdo para trás. Mandou que desse uns passos para frente e falou para que tirasse o casaco. Fiz o que foi mandado. Estava com uma camiseta sem mangas, como havia sido ordenado.
Sr. N pegou meus braços, senti a força que emanava Dele.
Amarrou meus pulsos firmemente. Enquanto me amarrava Ele dizia:
Fique com a cabeça baixa e não olhe para mim.
Novamente concordei.
A partir de agora você irá me responder somente com o balançar da cabeça. Entendeu? Gesto afirmativo.
Sr. N me fez morder a corda. E continuou a amarração.
Sentou-me na cadeira, puxou meus braços pra trás. A sensação da corda nos meus ombros era tão boa. Sentir-se rendida, tão reconfortante.
Estranho? Pode até ser mas, para mim é maravilhoso.
Ele está na minha frente e me mostra um toalha de rosto enquanto dá um nó.
Abra a boca. Diz ele. Ordem cumprida e estou amordaçada.
Que sensação deliciosa! Então vem os tapas na cara!!
Sr. N me diz: Olha pra mim, você gosta vadia?
Gesto afirmativo. Ele diz: Fale. Tento falar só se ouvem murmúrios.
Então Ele se abaixa puxa minhas pernas e coloca os tornozelos alinhados, vejo mais cordas brancas... Sr. N amarra com mais força agora e vai subindo até os joelhos. Estou usando uma calça jeans, e me deliciando com a sensação das amarras. Quando Ele termina... Mais tapas na cara, delícia...
Ele se senta a minha frente e diz:
Você gosta não é vadia?
Respondo que sim e balanço a cabeça em um gesto afirmativo.
Os olhos Dele brilham. Acredito que os meus também.
Ele vem até mim e mais tapas, minha boca está preenchida com a toalha, meus cabelos já estão soltos...
E sinto o corpo todo responder ao Dominador ali à minha frente.
Estou molhada. Aos que não acreditam que BDSM possa
ser feito sem sexo, eu discordo!!! Há prazeres e desejos que não se resumem somente a isso.
Há labirintos que podem e devem ser explorados dentro desse universo chamado BDSM. Minha excitação e gozo são provas disso.
Calmamente Sr. N começa a me desamarrar e pergunta: Gostou?
Ainda amordaça digo que sim e balanço a cabeça com convicção.
Ele me diz: Desamarre os tornozelos. Enquanto se afasta, cumpro a ordem.
Ele enrola a corda que está nas mãos Dele, me diz:
Faça o mesmo.
Depois de terminar pergunto sobre a mordaça apontando um dedo para ela.
Sr. N diz: Pode tirar. Esse é meu presente para você, leve e guarde. Quando eu te telefonar e mandar você irá se amordaçar... Ele sorri e eu concordo.
Ele me pergunta se está tudo bem, se me senti mal ou se estou com alguma dor por conta das cordas. Respondo que estou ótima e sorrio. Um sorriso amplo, satisfeito. Visto meu casaco. Guardo a minha mordaça na bolsa.
Sr.N me acompanha até a porta. Trocamos um beijo no rosto.
Saio, estou a caminho de casa, leve e com um sorriso bobo.
Há prazeres além do sexo.
Há Dominadores que encantam com a voz.
As cordas nos libertam.
Dominadores nos fazem desejar servir.
Chegando em casa, vou até meu quarto e guardo minha mordaça.
Agora é esperar para saber o que o Sr. N pretende fazer na próxima vez.
Hora de ir dormir...
Com um sorriso de criança levada e a alma leve.


Nenhum comentário: