sexta-feira, 3 de janeiro de 2014

Analisando


Houve um tempo em que ela amava demais. Em que faria tudo por ele e para ele. Mas algo mudou, e ela sem entender o que se manteve em silêncio, triste e com medo. Então ela resolveu que iria viver um dia de cada vez. Uma noite por vez. Engraçado como algumas frases soltas nos fazem relembrar o passado. Algumas são tão marcantes que ficam gravadas na alma. O tempo passa e ameniza a dor, tempera com uma certa suavidade. Ela se manteve afastada, era o melhor a fazer. Afinal cada um tem seu tempo, seu modo de pensar e sentir. Como ela é muito sensível, precisa ter certos cuidados, então numa resolução de final de ano, aliás todos fazem projetos e promessas, ela simplesmente se permitiu sentir, mas dessa vez decidiu também explorar seus sentimentos. Durante o dia resolveu cortar os cabelos, pintar. Foi ao mercado com amigos,coisa que ela detesta fazer. Mas a necessidade de mudança precisava ser testada. Deu certo. Ela riu como não fazia há tempos. Percebeu que mesmo sendo tímida atraía olhares masculinos. Chegando em casa se pegou pensando:
- A vida é realmente cheia de surpresas. Vamos ver o que vem pela frente.
Como sempre faz acessou seu canal de comunicação on line, teve uma surpresa não tão agradável. Em um primeiro momento ela quis reagir da forma antiga. Chorar, se lamentar e coisas do gênero. Mas, aquela voz que todos temos lhe disse:
- Vai continuar se fazendo de vítima? Vai permitir sempre ser julgada? E o que você ganha com isso?
Ao responder ela usou de bom senso e coerência. Leu com atenção as palavras que lhe foram dirigidas e analisando friamente chegou a conclusão que alguns pontos eram verdades e outros talvez somente uma outra perspectiva.  Não discutiu, estava cansada disso. Ela quer algo novo. Mas não do exterior, quer que seu íntimo lhe mostre o que não serve mais e fazer uma limpeza, daquelas que antigamente se usava sal grosso no final!!!
Algumas palavras machucaram, feriram provavelmente o orgulho, que não deixa de ser benéfico em pequenas quantidades. Enquanto completava suas tarefas continuou analisando. Decidiu ficar quieta e não prolongar aquela conversa pesada. Mas alguns pontos a fizeram repensar seus sentimentos ou melhor dizendo o modo como se expressa. O uso das palavras é algo delicado. Porque cada um de nós entende de uma forma, uma única frase. 
Amar é um exercício diário. O ciúmes nem sempre nos deixa ver as coisas claramente. Então ela se decidiu a ver com novos olhos cada situação. Se o problema é só com ela, então ela pode resolver. Já resolveu tantos nessa jornada. Ela ficou ali deixando seu coração lhe mostrar o que acontecia.
Em um primeiro momento a revelação de que não fazia comparações entre o hoje e o passado, foi um alívio. Ela aprendeu a deixar o passado no seu lugar, mas isso levou muito tempo. Hoje quando fala sobre o que já passou, consegue sorrir e sentir a leveza na alma.
Saber que amores nem sempre dão certo faz parte do crescimento. E muitas vezes não é culpa de nenhum dos dois e sim do momento. Ou um não serve para o outro. 
-Servir? Não sei se é bem essa a palavra certa mas é a única que me vem a mente agora.
Ela sorri ao se dar conta de que conhece tantas palavras e as vezes as mais simples são as melhores... Continua sorrindo e revisando seus pensamentos e sentimentos:
- Problemas familiares quem não os tem? Cada um reage de uma forma. Cada família é formada por indivíduos únicos, com algumas semelhanças entre si, e nada além. Alguns se amam, outros não.
- Amar é simples, nós que complicamos. Hoje com a tecnologia tudo é muito mais rápido, muito mais amplo. O que nem sempre é o melhor, talvez. Amar é saber entender silêncios e momentos em que o outro não está afim de estar com ninguém. Ela tem esses momentos, gosta da sua solidão, da sua companhia. Como gosta de dividir o que acontece na sua vida com o parceiro. Mas como cada um tem um tempo, muitas vezes eles não estão no mesmo passo. Aí cabe aos dois saber lidar com essa situação.
- Saber ouvir e ceder é importante para se levar uma vida melhor. É ouvindo que se conhece o outro, que se aprende os timbres da voz. Ceder para que ambos possam caminhar juntos. Mas ceder também cabe aos dois. Afinal o casal é formado por duas pessoas. 
Essas reflexões todas passam pela mente dela enquanto analisa a si mesma. Em nenhum momento colocou o parceiro como principal, ela precisa entender a si mesma dentro da relação. E o mesmo com ele, mas esse trabalho será feito por ele e não ela. Afinal, cada um sabe o que sente, o que deseja, o que não gosta e por aí vai.
Esse momento é só dela. Ela precisa racionalizar os sentimentos. Saudade, amor, carinho, atenção, briga, ciúmes e tantos outros.
Saudade, sim ela sente isso, mas ainda é algo gostoso, algo que tem o cheiro dele e o sorriso.
Amor, não há dúvida ela sente, mas não é algo louco, não é paixão, ou mesmo querer controlar ou dominar. Mas sendo muito honesta consigo própria, ela é um tanto controladora, e por que? 
- Estou acostumada a ter de resolver problemas, a ter de me virar em 100 para dar conta de tudo ao meu redor, e esqueço de relaxar e simplesmente deixar fluir. 
Carinho, ela tem por ele, já que o vê como um amigo, um companheiro, então é natural sentir carinho, querer cuidar.
- Só não posso esquecer que tudo tem limite, que a minha liberdade termina onde começa a dele. E as vezes esqueço isso. Justo eu que gosto tanto de ter meu espaço. Hora de mudar.
Ela é atenciosa, mas as vezes se perde em meio a filhos e o companheiro.
- Atenção é estar atenta ao que acontece com ele mesmo estando cada um em um canto. Procuro ser assim, mas admito que muitas vezes falo demais.
Briga, sim ultimamente qualquer coisa é motiva para isso. E por que? Bem acredito que uma coisa leva a outra, brigas geralmente derivam do tal ciúmes.
- Certo hora de aprender a lidar com esse sentimento mesquinho. Não quero uma sombra por perto, desconfianças bobas e coisa assim. Quando se ama se confia. Eu acredito nisso.
Enquanto ela se analisava, se deu conta que pode sobreviver sozinha, então ela não precisa do companheiro como uma tábua de salvação, ela simplesmente o ama, se der certo serão felizes juntos, se não der certo, ela deseja do fundo do coração o melhor para ele, sempre!
Que amar é ótimo, mas quando é retribuído. Que o ciúmes é uma faceta da insegurança. As brigas muitas podem ser evitadas se perguntando de modo direto o que está acontecendo. Numa conversa olho no olho.
Está na hora de ir para a cama. Já amanheceu. Ela passou a noite a refletir e está afinal serena e com sono.

Nenhum comentário: