quarta-feira, 21 de novembro de 2012

Fera


Durante muito tempo quis entender o que acontecia comigo.
Nos meus confins.
Hoje definitivamente cansei.
Que se dane!
Lutar contra mim tem sido extenuante e nunca ganho.
Quero sentir.
Não ligo mais se é o esperado ou não.
Na verdade não espero mais nada.
Vivo!
Cansei de me esconder, de mentir para mim mesma.
Meu mundo é tão vasto que me assusta.
Há tantas e tantas possibilidades e o que faço?
Boicoto, dou uma de coitadinha.
E então o que acontece?
A Fera em mim reage e da pior maneira possível.
Ela se rebela, sai das sombras e toma a frente.
Nessas horas fico completamente perdida.
Porque passo a ser somente instintiva.
Esqueço regras de etiqueta e todo o resto.
Quero mais é que tudo se exploda.
Rio de tudo e de todos, inclusive de mim mesma.
Essa moralidade que tentam me impor me deixa irascível.
Não pedi isso para a minha vida e não vou aceitar.
Por que tenho de ser a certinha?
E quem diz que sou certinha?
Os outros?
Mas eles nem sabem quem sou,
não podem nem imaginar
que sou uma fera a espreita.
Que me regozijo com sangue e sêmen.
Que as minhas entranhas são ígneas
e que me desestabilizo e estabilizo como o universo.
Entrego-me  a uma dança tão velha quanto o homem.
Que foi esquecida pela maioria
mas em mim ela encontra expressão.
Danço para mim mesma.
Em êxtase por sentir as várias realidades que habito.
Por que vou me restringir?
Por que as pessoas não entendem?
Problema delas.
Não estou pedindo permissão
ou entrando em seara alheia,
vivo a minha vida do meu jeito.
Não sou alguém fácil de entender.
Mas também não sou misteriosa. 
Só tenho fases.
Essa que vivo agora é mais densa, mais observadora.
Estou em meu interior.
E nem sempre é algo bom o que vejo e sinto.
Mas e daí?
Vou fugir?
E para onde?
Lugar algum, estou dentro de mim.
E aqui não há fuga.
Embora possa me alienar as vezes.
Fingir que não estou vendo determinada atitude.
Mas de nada adianta.
Por que a Fera me mim faz questão de me mostrar.
Lidar com ela não é fácil.
Inegável que venho aprendendo muito,
despertando aptidões que estavam adormecidas por milênios.
Mereço essa oportunidade,
mesmo correndo o risco de não voltar
a ser quem era antes dessa que agora paira sobre mim.
E tenho gostado de me sentir assim.
De dar um passo a cada vez, da caça, da espreita.
Tenho descoberto que posso fazer muito do que me negava antes.
E isso tem sido uma agradável surpresa.
Só preciso que a Fera me permita dormir por vezes.
Porque o corpo necessita do descanso.
Sinto o espírito leve e pronto para mais uma das minhas aventuras.
Estou liberta das amarras que me impus.
A Fera está solta, estamos livres para uivar para a lua.
Para encontrar a matilha e fazer amor
com toda a liberdade que meu corpo tem direito.
Sou Fera.
Sou fêmea.
Sou mulher.



Um comentário:

☠Neith War☠ disse...

!!!!Adorei!!!
Uma fera está a solta, corram mortais!
Hummm divina sensação de liberdade ao se fundir à sua fera interior, este animal selvagem e cheio de energia!