segunda-feira, 5 de novembro de 2012

Mestre dos Sonhos


Estou dormindo. Sei que fui me deitar mais cedo que o normal.
O dia havia sido enfadonho. Precisava de paz e quietude.
Quando a casa silenciou até suspirei.Viro e reviro na cama.
Ah não outra noite insone penso com os meus botões.
Levanto vou até o banheiro, abro o chuveiro.
Fico ali por um tempo, deixando a água escorrer pelo corpo.
Não penso em nada. Só sinto a água caindo em mim. Saio. Pego um roupão.
Vou até o computador, ligo, e busco uma música que me ajude a relaxar.
Por fim encontro algo. Começo a sentir que estou relaxando. Não ouço nada fora a música.
De repente sinto uma presença. Só que estou tão cansada que não faço caso.
Deve ser uma das crianças ou o gato que resolveu sair do seu esconderijo, penso sem me mover.
Um calafrio percorre minhas costas. Isso é sinal de que há algo fora do lugar ou a janela está aberta. Resolvo verificar. Quando abro os olhos, ou penso que abro, não sei bem ao certo, dou de cara um com homem (acho que era um homem) pálido, vestido de negro, uma roupa esvoaçante, não dá para definir ao certo que roupa é mas me lembra um manto que pode abarcar tudo, seus cabelos são negros também e revoltos.Então eu pergunto de modo um tanto ríspido:
- Eu o conheço?
O homem dá um meio sorriso e me responde:
- Todas as vezes que dormes vens ao meu reino e ainda me perguntas se me conheces?
Fico olhando para ele, tentando entender quem ou o que seria ele, quando uma suspeita invade minha mente. Pergunto:
- Estou dormindo?
Ele concorda e diz:
- Tens ultimamente lutado muito para não adormecer, posso saber por que?
Eu o encaro e me levanto, quando olho ao redor noto que não estamos na minha casa e sim em um lugar estranho repleto de portas, de escadarias.
- Onde estamos?
Ele está na minha frente, sério e muito compenetrado, até um pouco melancólico e as vezes parece um tanto desligado ou ausente.
- Tens certeza de que não sabes onde estás?
Começo a ficar impaciente:
- Por que não pode me responder uma só pergunta? Sempre me responde com outra!!!
Exclamo me agitando e andando pelo salão enorme onde vislumbro cores, estátuas, nichos e um trono alto, todo adornado, muito lindo. Ele se encaminha até lá e se senta, dizendo:
- Você está no Reino dos Sonhos ou no Sonhar se assim preferir.
Fico observando aquela face, austera, bela, pálida, olhos negros tão profundos que quando se fixa demais neles corre-se o risco de não conseguir voltar ao que chamamos de realidade ou qualquer outro lugar. Aqueles olhos são prisões. Pisco para quebrar aquele encanto.
- Estou no Sonhar, então estou adormecida! Mas não queria dormir, não queria sonhar, muito menos com você, Morpheus.
Ele me olha profundamente devassando minha alma e pergunta:
- Por que não comigo?
Pigarreio, olho para todos os cantos tentando encontrar uma saída, o Mestre dos Sonhos fica ali sentado calmamente só me encarando. Estremeço ao pensar que estou no reino dele e não tenho como sair dali.
"A menos que eu acorde. Isso preciso acordar. Vamos, acorde, comando a mim mesma. E nada!!!"
Sinto-me frustada e com raiva. Então dou alguns passos em direção a ele.
Nos olhamos e ele pergunta de novo:
- Qual o problema em sonhares comigo? Ou de estares em meu reino?
Então aparece um corvo e pousa no espaldar do trono, eles conversam, não trocam uma palavra, mas sei que conversam. Posso sentir isso.
Pergunto ao Mestre dos Sonhos:
- O que o corvo lhe contou?
Então ele se levanta e me responde:
- Não queres me responder e eu tenho de te responder?
Sinto vontade de gritar com ele, de arranhar, de bater, de xingar e muitas outras coisas mas não faço nada, fico só admirando aqueles olhos. Balanço a cabeça para sair daquele feitiço.
Ele me mostra com um gesto de seu braço um corredor e diz:
- Vamos caminhar, iremos até a biblioteca, já que sei que adoras livros. Lá poderemos conversar e trocaremos confidências.
Eu o sigo pensando:
" Não vou trocar confidência nenhuma com você Morpheus, já sabe muito da minha vida. Não direi uma palavra. De jeito nenhum!!!"
Enquanto andamos, percebo que o lugar onde ele mora é um castelo. Típico penso comigo.
Há de tudo nesse lugar, mas ao mesmo tempo parece vazio. É tão estranho.
Percebendo o que se passa comigo o Mestre do Sonhar explica:
- Aqui toda a matéria é feita de sonhos, por isso ela varia muito. Temos vários lugares lindos e claros, esses são gerados pelos sonhos "bons". Outros lugares são sombrios, gélidos ou quentes demais, há no ar um peso considerável, esses são gerados pelos sonhos "maus" ou pesadelos. Temos também o lugar onde os sonhos de cunho sexual se manifestam, onde o cheiro é peculiar. Outro onde somente crianças adentram também dividido entre sonhos e pesadelos.
Não em aguentando mais pergunto:
- Onde você guarda os sonhos dos amores perdidos? Onde guarda os sonhos desfeitos?
Ele me olha e sinto um vento gelado atravessar meu ser e diz:
- Onde pensas que os guardo?
- Droga! Dá para responder uma simples pergunta Senhor dos Sonhos ou é muito difícil?
Então para minha grande surpresa ele ri. E aquele som me faz sentir vontade de sonhar. Fico ali parada admirando aquele ser. Desejando o que? Nada!
" Esqueça isso menina", me digo em pensamento. Chegamos a biblioteca.
Ele me aponta um sofá de dois lugares num tom de vermelho muito escuro, me encaminho até lá e me sento e ele também. Posso sentir seu perfume, seu cheiro.
Sinto vontade de passar as mãos pelos seus cabelos e me contenho. O que está acontecendo comigo? Estou cedendo, isso que está acontecendo. Mesmo sabendo que isso só me fará sofrer.
Então mais uma vez estamos olhando um nos olhos do outro e ele diz:
- Você veio até aqui porque não pode se manter afastada por muito tempo do Sonhar, mesmo quando não se lembra, ou quando soterra seus sonhos no mais profundo da sua psique, você sempre vem até aqui.
Eu concordo, estou hipnotizada.
- Entendo sua revolta. Entendo sua resistência. Sei que é mais fácil esquecer os sonhos quando se acorda mas não é o que acontece contigo. Passei um bom tempo tentando entender o porque isso acontecia justamente com você. E para descobrir o motivo fui obrigado a me aproximar.
Dei um pulo no sofá e disparei:
- Então admite que invadiu meus sonhos? Que me fez sonhar com você? Que me fez...
Fecho a boca porque iria me entregar se continuasse falando.
- Não invadi seus sonhos. Você vem sempre ao meu reino. Não é invasão, portanto e se fosse seria o contrário não é mesmo?
E ele sorri, aquele meio sorriso que me dá vontade de socá-lo e outras coisas mais.
- Quanto aos amores desfeitos e os sonhos perdidos, a culpa é minha? Tenho certeza que não! Também já perdi amores. E os sonhos não se perdem aqui em meu reino, os guardo todos. Os que não são mais sonhados o tempo se encarrega deles, assim como de todo o resto. Respondi suas perguntas e agora irá responder as minhas?
Eu nego com a cabeça veementemente. Então ele pega a minha mão e a pressiona de modo delicado e quando dou por mim estou contando:
- Não quero mais sonhar. Tenho medo de não querer acordar. É tão bom estar com você. Sentir tua presença. Mas ao mesmo tempo sei que são somente sonhos e isso está me torturando, passo os dias me dizendo que é tudo ilusão, que nada é real. Que não posso amar algo que não é tangível.
Então ele se aproxima mais e me envolve em seu manto me abraçando e diz:
- Não sou tangível?
Suspiro e estou chorando. Ele seca as minhas lágrimas e então revela:
- Também quis parar isso. Não sentir. Mas todas as vezes em que você não está aqui, falta algo. Então sinto a necessidade de te ter por perto. E quando cismas em não dormir fico de péssimo humor. Foi isso que estava conversando com o meu corvo, ele me disse que eu estava bem humorado porque você estava aqui. Minha sobrancelha deve ter se levantado porque ele deu aquele meio sorriso e comentou:
- O corvo está com a razão, você me faz bem e portanto fico mais bem humorado.
- Se estava bem humorado imagina quando está de mau humor.
Ele me abraça mais forte e diz:
- Os céus aqui ficam plúmbeos e muito carregados quando estou mau humorado, tudo fica mais feio e todos somem da minha vista.
- Então não quero te ver quando estiver com esse estado de ânimo. Agora preciso perguntar Morpheus me induziu ao sono?
Ele nega e diz:
- Cheguei no exato momento em que estavas acessível para mim. Passo horas esperando por isso.
- Por que? pergunto eu.
Ele se afasta e me olha, sinto aquela sensação de gelo correr meu ser outra vez e baixo os olhos, sinto seus dedos em meu queixo me fazendo levantar a cabeça para o encarar:
- Pelo mesmo motivo que não queres sonhar.
Meus olhos quase saem do meu rosto:
- Como?
- Estou sentindo o mesmo que sentes. Estou amando e sei o quanto esse sentimento é complexo e machuca. Então esqueço toda a cautela, todo o medo e me aproximo dizendo:
- E agora o que faremos? Vamos continuar negando tal sentimento?
Morpheus me encara por longos momentos até que o sinto sorrir:
- Não posso mais lutar contra o que sinto.
- Muito menos eu Senhor dos Sonhos.  Quero sonhar e estar contigo sempre.
- Há algo que podemos fazer.
- O que?
- Você virá para o Sonhar ou invés de atravessar as portas da Morte.
- Agora?
- Não, tudo a seu tempo. Enquanto esse tempo não chega terás um lugar aqui sempre assegurado.
Sorrio mas sinto o coração pesado de algum modo. Ele parece notar e pergunta:
- Qual o problema?
- Terei de passar muito tempo sem você.
- Não! Farei incursões pelo mundo desperto, já nos encontramos várias vezes por lá.
- Sim você tem razão.  Todas as vezes em que eu estive muito triste ou solitária você sempre conseguia estar perto de mim.
- E assim continuará sendo amada minha. Só te peço que não resistas mais ao Senhor dos Sonhos.
- Não preciso mais resistir, estou entregue em tuas mãos.
Então sinto seu manto nos cobrir e seu beijo. Acordo me viro na cama e ele está ali, deitado e me convida a colocar a cabeça em seu peito, o que faço sem ao menos pensar.
Sinto-me em paz, com os meus sonhos e com o meu amor.
Estou nos braços de Morpheus. Estou no mundo dos sonhos.
O Mestre dos Sonhos me conduz ao Sonhar, todas as noites.
E passo o dia sorrindo para tudo e todos pois sei quem me espera todas as noites em meu quarto, entre meus lençóis. Sou cativa de Morpheus, meu doce e pálido Senhor dos Sonhos.

2 comentários:

☠Neith War☠ disse...

Viagem maravilhosa até o Sonhar, eu nunca estive diante do Senhor dos Sonhos, mas vc me proporcionou isso através de teus escritos. Obrigada por mais este tesouro!!!

La Rosa Carla disse...

Sonhos e sono combinam!!! Esse foi uma surpresa para mim também!