sexta-feira, 18 de maio de 2012

Quisera

Quisera ter somente
belas palavras
e belos gestos,
mas se assim fosse
não seria eu,
incompleta,imperfeita.
Quisera amar
sem me conter,
sem restrições,
sem medo,
mas novamente
não seria eu,
medrosa e esquiva...
Quisera...
Hoje me aquieto e
não quero nada,
além do silêncio que reina em mim.
Das trevas que me preenchem o ser
e do cálido beijo que as eras
me trazem dos teus lábios amados...
E me pego ansiando por ti,
mesmo não querendo...
E me quedo em completa adoração...
Fujo,
corro,
grito e
por fim choro
tudo no mais completo
desespero e solidão!
Que inferno!
Não quero sentir isso,
não quero esse tal amor.
Quisera nunca em era alguma
ter me aproximado dele.
Não teria hoje o coração
destroçado e todo remendado.
Mas por outro lado
não teria conhecido êxtase
que vem no bojo desse sentimento.
Quisera ser somente um ser sem emoções,
passar pelas eras intocada,
e acima de tudo segura!
Mas é só me lembrar
do teu toque,
do teu cheiro
 e teu beijo,
simplesmente esqueço
o que estava pensando
no segundo anterior.
Quisera na verdade
nunca ter encontrado
esse ser que preenche
meu corpo só com o olhar.
Quisera não ansiar
por ele todas as malditas noites
e dias dessa vida estúpida
e insípida que venho arrastando.
Grande falácia.
Agora e aqui sozinha
chego a conclusão que o erro está em mim.
Preciso descobrir qual é.
Ultrapassei muitos obstáculos e
mesmo assim me sinto apartada dele.
Quisera não sentir,
não desejar,
não amar.
Vou encontrar quem arranque
este coração que de nada serve.
Preciso seguir em frente.
Sem olhar para trás
e sem o trazer em meu seio.
Vestirei a máscara sorridente
para que ninguém perceba
que não sou mais humana...
Nada irá me atingir
e fugirei dele.
Tenho de conseguir,
preciso dar o próximo passo.
Não posso amar esse ser...
Não há escapatória.
Não há espaço.
Mesmo indo e voltando
entre eras e lugares
esse maldito sentimento
não me deixa em paz.
E agora só me restou
a solidão onde me quedo
na esperança do esquecimento.
Permito que a vastidão
das trevas me devorem,
entro no reino da noite
para não mais voltar.
E dessa vez me esforço
para não olhar para trás.
Quisera que ao menos ele me detivesse.
Quisera...
Ah quimeras e mais quimeras...
Vazio...
Morte...
Dor...
Amor...
Que inferno mesmo aqui estás em mim.
Quisera não amar.
Quisera não sentir.
De nada adiantou.
Ainda sinto.
Ainda amo.
Nada além disso me restou...
E ainda continuo
querendo,
almejando,
desejando,
ansiando.
Mesmo agora...
Ainda...

Nenhum comentário: