quinta-feira, 12 de abril de 2012

Morte



Cortejo Morte todos os dias. E ele ri insanamente. Enquanto percorro caminhos esquecidos ou ditos malditos o sinto por perto. Espreitando meus movimentos e meus recuos. Por vezes ouço seu riso e as vezes penso ouvir um lamento.
Embora acredite que o lamento que ouço é meu. Não quero mais pertencer a esse mundo. Não me enquadro em nada por aqui. Minha busca tem me feito atravessar oceanos bravios e universos solitários...
Já não sei onde estou ou se estou em algum lugar. Sinto uma saudade inumana. Sinto um amor trancado em meu peito.
Como alguém pode sobreviver assim? E Morte só ri. Então resolvi dançar com ele. E para minha grande surpresa. Ela é ele, porque a maioria vê Morte como um ser feminino.
E aí descubro que essa maldita busca só terá fim quando estiver nos braços dele. Mas, mesmo agora enquanto dos meus olhos caem lágrimas como uma cachoeira após a temporada de chuvas, Ele ainda sorri e balança a cabeça como que dizendo:
- Volte, vá embora. Aqui não é seu lugar.
- Inferno! Se meu lugar não é ao lado do meu amado, então onde será? -  Meus olhos falam por mim.
Ele se aproxima, o toque gélido, o hálito morno...
Passa os dedos pelo meu rosto secando a torrente de lágrimas que teimam em cair e me abraça dizendo:
- Estarei aqui quando sua hora chegar. A carregarei para minha morada mas não hoje e muito menos agora.
Sinto um vazio explodir em meu peito. Minha rebeldia estoura qual uma nevasca, tento me soltar do abraço dele e forço o corpo para trás... Nada acontece.
Repouso o rosto no peito dele.
- Por que não posso ficar? Não quero voltar, não quero perambular por aqueles lugares vazios.
Ele me olha profundamente, devassando meu espírito e diz:
- Tens de voltar e sabes disso!
- Não sei de nada e não quero saber grito com ódio e revolta.
Não o abalo nem por um segundo. E ele continua:
- Já trouxe para minha morada várias almas, depois tive que libertá-las porque algumas queriam ou necessitavam voltar, não entendo bem esses motivos, mas assim é. Também já recolhi os suicidas. Os assassinos, os párias de todas as sociedades. Por mais que falem não ter medo de mim todos têm. Alguns se preparam para me encontrar, outros passam a vida como se nunca fossem me encarar de frente. Então te pergunto: - Sabes que um dia estarás aqui comigo, por que essa precipitação? Por que esse desejo do aqui e agora?
Fico olhando para ele sem entender essas perguntas idiotas, jogo a cabeça para trás para encará-lo e digo:
- Porque quero estar aqui contigo. Porque sinto sua falta. Porque ninguém me faz sentir assim...
Ele parece espantado, como duvidando do que esta ouvindo. E eu tomando coragem abro coração, alma e espírito para que ele navegue em mim. Sinto o corpo estremecer ao toque dele. É um toque profundo, temerário e acima de tudo devastador.
Então ouço a pergunta: 
- O que é isso que sentes? E como isso foi acontecer? Respondo sem meias palavras:
- De tanto te cortejar, te procurar, acabei amando você. Não me pergunte como aconteceu porque não saberia responder. Só sei que para mim não és assustador. Não és o castigo que todos falam. E nem mesmo o fim. 
Ele parece surpreso:
- Não sou o fim? Então como me vês?
Sorrio com os olhos e sigo falando como o vejo:
- Sempre soube que Morte é só um nome dado a um estado que todos experienciam. Para mim funciona como mais uma etapa da nossa viagem ou evolução. Talvez por isso todos te temam... Toda mudança nos deixa inseguros. Tudo aquilo que não conhecemos nos deixa com medo.
Agora ele ri alto e pergunta: 
- Se todos têm medo, você também tem?
Encaro aqueles olhos profundos como a noite, vendo naquelas pupilas milhares de mundos e lentamente levanto minhas mãos para aquele rosto lindo como o pecado original, se é que esse tal pecado existiu, toco de leve com a ponta dos dedos e respondo:
- Já tive medo sim, já neguei você muitas vezes durante essa existência. Até descobrir que Morte e Amor convivem diariamente. Até entender que o Amor necessita de ti.
Ele fica carrancudo e pergunta:
- Como assim?
Meus dedos brincam com a ponta dos seus cabelos e vão até os lábios quando digo:
- Se alguém que já amou antes não "matar" o antigo sentimento como poderá amar novamente? Morremos um pouco a cada noite, quando nos deitamos para dormir, o corpo precisa do descanso para se preparar para o outro dia. Envelhecemos todos os instantes indo inexoravelmente na sua direção. Eu mesma já tentei te encontrar antecipadamente mas , você nunca me aceitou.
Ele fica novamente irritado e diz:
- Voltamos a esse assunto outra vez. Já lhe disse que ainda não está em minha lista.
Aí eu fico muito brava, muito mesmo e disparo: 
- Engraçado muitos já foram, muitos já se adiantaram e por que eu não posso?
Agora é ele quem brinca com os meus cabelos, passeando sua mão translúcida pelo meu rosto até encontrar meu pescoço quando calmamente explica seu ponto de vista:
- Você quer falar em Amor? Então vamos lá. Descobri esse sentimento maluco há milhares de anos atrás, e quem me fez sentir isso, foi você. Se a quero aqui? Evidente que sim! Mas, sei que precisas de tempo para entender que minha morada será pra sempre tua depois que estiver aqui. Aceito tuas visitas porque elas me dão alento. Com elas posso esperar com mais paciência tua vinda em definitivo. Incongruente? Você dirá que sim, e eu concordo. Mas é assim! Quero tua companhia, por isso invado teus sonhos e te trago aqui. Admito que já usei de muitos artifícios para te ter aqui. Usei fantasias as quais você se entrega. Isso me fortalece, só não me peça que encurte seu tempo ou que te aceite aqui através do suicídio. Explico porque e nada tem a ver com essas coisas que a humanidade chama de religião ou credo, nada entendo disso e nem quero, entrando em minha morada dessa forma serias por necessidade própria separada de mim, porque terias de se entender e acima de tudo enfrentarias teus demônios despida de toda e qualquer defesa. Terias de prestar conta a tua consciência passada, presente e futura num tribunal onde ninguém entra. Não há juiz  fora você mesma! E pelo que já vi aqui nessa eternidade posso garantir que não há juiz pior que a própria pessoa. Mente-se sempre para o outro no universo que habitas, mas sabes muito bem que se tenta mentir a si mesmo e a mais ninguém. Então quando todas as máscaras caem, quando não há para quem mentir ou lograr, o espírito enlouquece e o juiz é implacável, porque conhece todos os meandros de si.  Aqui em minha morada não há clemência dos Deuses e nem mesmo a intervenção do Diabo. E sabes por que? Fiquei olhando para meu amado sem saber o que responder e ele continuou entendo meu silêncio:
- Minha amada aqui tudo tem fim! Aqui não existe nada!  Somente o que se construiu na vida.
Aí eu comentei:
- Então existe muita coisa! Existem Deuses e Demônios e Anjos também.
Morte me olhou longamente e falou: 
- Se você acreditar que sim mas, se não! Nada existe. Por isso a humanidade tem tanto medo de mim! Porque embora eu seja o vazio, posso ser o completo, o todo. E a maioria não sabe lidar com esse paradigma.- E novamente riu, depois continuou:
- Quero você aqui, mas a quero inteira, pronta para ficar, quero ser preenchido com esse amor inesperado. E portanto, necessitas continuar sua jornada até estar pronta para permanecer comigo, entendes?
Fiquei por um instante tentada a falar que não mas, quando nossos olhares se encontraram, quando o magnetismo entre nós atingiu o clímax concordei dizendo: 
- Sim, entendo. Devo me preparar para ficar aqui contigo, preciso viver para poder entrar em tua morada inteira. Não pode estar faltando nenhuma parte minha. Tenho de estar completa, com o passado apaziguado, o presente encerrado e o futuro já aqui contigo. Então devo seguir em frente mesmo ansiando por estar entre seus braços. - Suspirei e Morte beijou minha testa comentando:
- Estarei presente em todos os teus momentos, teus sonhos serão meu refúgio. Nunca estarás sozinha e mesmo quando não me sentires por perto, intuirás que você pertence a mim. Que Morte sempre esperará por sua amada!
De repente me senti transportada para minha cama e acordei com uma sensação de amor e beleza que desconhecia. Engraçado como Morte me faz bem! Mesmo não me querendo por agora em seu amplexo... Mas sabemos que chegará o dia! Enquanto isso vou vivendo e sentindo um leve roçar em meu corpo, um toque gélido mas que incrivelmente me aquece por dentro...

2 comentários:

☠Neith War☠ disse...

Maravilhoso encontro!!!!!
Por vários momentos me senti você, por vários momentos senti o que sentia...por vários momentos durante a leitura pude ver os olhos de Morte...ele tem a chave do Universo dentro de si...

Posso dizer que te amo?
Te amo La Rosa Carla, pelas sensações que compartilha com uma estranha perdida assim como você...

La Rosa Carla disse...

Que bom que gostou Neith!
Pode dizer sim, claro que pode!

Afinal temos muitas afinidades, e o gosto por excentricidades rsrs

Somos perdidas mas não mais estranhas rsrs.

Seja sempre bem vinda!