terça-feira, 13 de março de 2012

VIDA

Pensei que hoje fosse escrever algo triste ou melancólico, mas nada melhor que o passar das horas.
Nada melhor do que se encarar de frente.
Não tenho medo dos meus sentimentos, me jogo mesmo, quebro a cara e depois me recomponho.
Sou autêntica mesmo na dor.
Grito, esbravejo, blasfemo e daí?
Não devo nada para ninguém.
Tenho coragem de mirar no espelho a imagem refletida e me dizer: Querida, tudo não passou de ilusão, sonho.
Mas no meu íntimo sei que valeu à pena.
Sabe por que? Porque mesmo quebrando a cara, mesmo com o coração em frangalhos, me refaço, ressurjo, renasço.
Sou tal qual a fênix. Isso faz parte do mistério feminino. E com certeza me faz forte e rija mesmo quando me sinto pequena e frágil.
Não sinto medo, não mais, dos meus sentires. A cada queda sobrevém um novo voo. 
A cada NÃO, aprendo um pouco mais de mim e dos outros.
Sofro? Claro que sim. Sou de carne e osso.
Sou sentimentos, intensos e devastadores.
Mas, sou também temperança e prudência.
Há algum tempo atrás um "amigo" me perguntou se já havia recebido algum NÃO, respondi no ato, evidente que sim. Na vida recebemos NÃOS e SINS, muitas e muitas vezes.
O que talvez faça a diferença é como cada ser lida com essas respostas. Como elabora internamente uma rejeição ou uma aceitação. Cada um tem seu tempo.
O meu nem sempre flui como gostaria ou como os outros pensariam que fosse acontecer. O que posso fazer? Mudar o que e como sou?
Aí eu digo, não, estaria atentando contra mim mesma. Hoje me dou o direito de me abster desse tipo de conduta.
Procuro cercar meus amigos com carinho, atenção e amor. Admito que por ser expansiva demais, as vezes, passo dos limites. Ao perceber isso, recuo e tento começar tudo de novo. Nem sempre isso dá certo. Então sigo meu caminho. Se eles quiserem ainda o que tenho a oferecer, voltarão se não, paciência.
Antes de ser generosa com o outro, devo ser comigo mesma. Pastei muito até aprender isso.
Aprender a me perdoar foi e é muito difícil.
Decidir trilhar um caminho que não é usual, me fez perceber como nos apegamos a coisas pequenas, como permitimos que regras que não são nossas nos cerceiam.
Acredito que a maturidade trás uma percepção melhorada do ser humano, não mais tão fantasiada.
Aprendemos a encarar o outro como ele é, sem querer colocá-lo dentro de um determinado esteriótipo. E por vezes caímos nesse erro, quando percebo que estou indo por esse caminho, escrevo ensandecidamente, no intuito de me fazer perceber onde estou agindo errado, não com o outro, porque ele é só um espelho de mim, mas comigo mesma. Porque querer engendrá-lo em algo que não é?
Aí percebo que na verdade estou tentando me fazer caber numa realidade que não é a minha. Então depois de escrever muito, mas muito mesmo, releio tudo e começo a entender que o alvo era eu.
Egoísta? Pode ser, mas em última análise, sincera. Uso de sinceridade com o meu EU, porque dentro dos labirintos desta alma, deste monstro, desta sombra, somente eu caminho indo e vindo. Tentando acertar o passo comigo mesma.
E assim vou vivendo e aprendendo a ser EU um pouco mais a cada dia!!!

2 comentários:

MIRITH disse...

Querida yasmim

Dias atrás me pediu para colocar um texto meu em seu blog, é, sou eu mesma com um novo nome, um novo perfil. Qdo li seu texto agora, me identifiquei mto com ele, principalmente qdo diz que não tem medo. Eu tb sou assim e tb escrevo na tentativa de exorcizar esses monstros que habitam em nós.
Somos parecidas, portanto agora na tentativa de renovar e deixar o passado para trás, mais uma vez me armo dessa mesma corgem e sigo em frente.
Seu blog é um livro, lindo e com conteúdo sério, escreva sempre, nos dê esse presente, afinal pessoas como vc estão cada vez mais raras nesse nosso meio.
bj carinhoso
mirith sub

Yasmin Sub disse...

Ahhh!!!

Que bom Mirith Sub!

Feliz em vc estar aqui e mais em ter gostado do que leu!!

Sinta-se em casa e bem vinda!!!

Beijos