sábado, 31 de março de 2012

TU

Tua voz e teu tesão
vão desinibindo meu ser.
Vou me soltando em tua presença.
Sinto meu sexo molhado,
pulsando de desejo por ti.
A cada novo encontro,
nova conversa,
mais e mais
me fazes tua.
Estranha sensualidade,
rasgada,
despudorada,
abrasadora.
O sangue ferve nas veias.
Os bicos do seios duros
chegam a doer
enquanto te admiro.
Passeio as mãos pelo teu corpo.
Mordo teu pescoço
quando me atacas.
Sinto o desejo explodir
tanto em mim quanto em tu.
Nessa noite de prazeres
tudo é permitido.
Não existe certo ou errado.
Somente nossos corpos
necessitando um do outro,
em tal intensidade
que chega a assustar.
Meu corpo responde
a cada toque teu.
A cada desejo e vontade teus.
Tens minha total servidão,
meu desejo é te satisfazer.
Necessito do teu mel
escorrendo por entre minhas coxas.
Quero as costas marcadas
com tuas mordidas.
Empino a bunda
e rebolo como louca
em teu sexo rijo
implorando por mais e mais.
O peso da tua mão me doma,
teu desejo me subjuga,
teus beijos me seduzem.
Simplesmente
respondo ao teu corpo,
reajo ao teu sexo.
Sem freios,
desvairada
como a fêmea no cio que sou.
Lambo teu membro
com um desejo voraz
que transforma minha boca
em uma fornalha acolhedora.
Engulo teu mel com um prazer
que não tem como compartilhar com palavras.
Quando me colocas por cima
para cavalgar sinto-me
a própria amazona,
uma valquíria invencível.
E quando me dizes
para me liberar,
ficando parecendo fera,
a única coisa que se ouve
no quarto é nossa respiração acelerada.
Se espelha pelo ar um aroma
de sexo, de amor, de tesão
que invade as narinas
e nos leva ao êxtase
e sempre queremos mais e mais.
Minhas mãos não param,
querem tocar, apertar,
acariciar cada parte
do corpo que me leva à loucura.
E nisso passamos a noite
entre sexo selvagem e arrebatador,
suave e doce,
nos explorando, nos descobrindo.
Teus olhos ao final
me seguem por todo canto,
fico sem saber o que queremos,
até que me apontas a cama e dizes:
Deita-te aqui, quero adormecer
te sentindo em meus braços. 
Sorrio por querer o mesmo.
E me aconchego
entre os braços teus,
entregue e serena...