quarta-feira, 21 de março de 2012

Tentativa de um poema

Te ofereço meu corpo.
Meu templo sagrado.
Onde sou Deusa e sacerdotisa.
Cuidado ao adentrares
Não sou santa
Nunca quis isso para mim
Gosto do pecado
Gosto da noite
Gosto do suor escorrendo
Do gosto da tua pele.
Do teu beijo
Do teu sêmen.
De me atirar entre tuas pernas
De brincar com teus cabelos
De teus lábios...
Gosto do dia
Para passear entre gente
Ficar imaginando quem é quem
E depois te contar
o que me excitou
nesse ou naquele momento
Vagueio entre mundos
só para depois
te contar estrelas.
A chuva escorrendo
pelo corpo
me faz lembrar
tua língua 
em um passeio mágico
pelo templo.
E me faz sentir
novamente desejo
De tatear, explorar 
esse outro templo
que me fascina.
Nesse vai e vem 
fico muda
Não há palavras
que possam te contar
o quanto esse corpo
anseia pelo teu toque.
Aqui postada em frente a ti
ansiando por um toque
um chamado
permaneço em silêncio.
Admirando
Cobiçando
Degustando
tudo que me dás...
E por fim me 
transformas
novamente na Deusa
na sacerdotisa
somente para
teu prazer
insano e pervertido
que admito me faz
tremer em 
minha essência!!
Mas te peço
novamente
cuidado,
muito cuidado.
Embora seja forte
sou frágil.
Embora seja corajosa,
sou medrosa.
Sou dual
assim como tu és...
E assim nos satisfazemos
e queremos mais e mais!

2 comentários:

O caminho de perséfone core disse...

Tentativa?
Um belo e sincero poema!
A conexão entre a submissa e Seu Senhor.
Gostoso ler e me identificar com cada frase/trecho.

Beijos!
{perséfone core}_DC

Yasmin Sub disse...

{perséfone core}_DC

Sim minha linda, só uma tentativa, fico feliz em saber que se identificou! Isso me alegra e muito...



Sou essencialmente submissa! Mesmo quando não pertenço, não há como negar o que sou!

Beijos

Yasmin