quarta-feira, 23 de março de 2011

Nova experiência

Estranho como as coisas acontecem. De repente surge a oportunidade e quando percebemos ou a agarramos ou a deixamos passar. No meu caso agarrei e não me arrependi. Uma sessão de cócegas, quem diria, poderia render além de risadas um prazer tão gostoso e por vezes arrebatador. Ter as mãos presas sem poder se esquivar e dedos furiosos te fazendo rir pode parecer algo surreal. Para alguns acredito que seja mesmo, pra mim foi uma experiência no mínimo divertida e inovadora, onde descobri mais uma forma de prazer e também de dor. O toque deixou marcas em mim. Ainda doloridas por sinal. Havia momentos em que não conseguia respirar. Ficava me virando na cama, tentando fugir das mãos tão hábeis e ágeis, sem nada conseguir. Por vezes Ele apoiava o queixo nas minhas costas ou nos meus braços, e seus dedos não tinham sossego. Meu fôlego nunca era o suficiente, parecia que Ele se deliciava com as minhas risadas, com meus ais e a falta de fôlego também. Quando pensava Ele vai me dar uma trégua, lá vinham os dedos fazendo cócegas nos meus pés, nas minhas coxas, nos meus braços e na minha barriga. Era uma luta constante, a cama mais parecia um parque de diversões. Num quarto lilás com espelho no teto aprendi que o prazer também é encontrado nas cócegas e leves beliscões. Quando seus dedos roçavam minha pele, correspondia sem nem pensar. Ria e suspirava. Tentando me esquivar das suas mãos mas, nada feito, Ele me agarrava, conseguia me imobilizar entre as pernas, como tinha as mãos atadas por um tipo de algemas com uma barra ligando as duas, Ele simplesmente colocava uma das mãos ali pressionando e a outra corria pelo meu corpo, me levando ao riso mesmo quando eu não queria rir. Meu corpo estremecia, vinha tudo junto as cócegas e o prazer, um desejo cada vez maior tomando conta de mim. Gozei sem perceber que havia acontecido. Tentando fugir daqueles dedos de ferro. Que deixaram marcas suaves embora doloridas em mim. Pena que faltaram algumas coisas. Mas quem sabe daqui a algum tempo o que faltou não seja o complemento para uma satisfação maior? Espero que sim. Descobri com essa experiência que sou mais sensível do que imaginava e que a dor pode não vir necessariamente de um chicote ou mesmo de uma palmatória, que mesmo rindo se sente dor e prazer. Será que na próxima vez, se é que haverá uma próxima, poderia experimentar esses dedos ágeis e duros em partes ainda mais sensíveis de mim? Ainda estou sentindo teu cheiro me rondando. Ainda pulso quando me lembro do teu sorriso numa padaria  e naquela música que quase nos ensurdeceu. Sorrio me lembrando do espanto quando aceitei o convite. Aí me pergunto: Será que era para ser aceito? E mais será que se arrependeu? Falando apenas por mim: Não, definitivamente não. Só quero mais e além. Se é que vamos continuar experimentando. Bem, agora vou curtir minhas marquinhas e sonhar com um sorriso encantador.Vou me lembrar daquele espelho de teto durante um bom tempo. Boas lembranças merecem ser guardadas e repetidas quantas vezes nos derem a oportunidade de vivenciar. Então fica o aviso: Quero mais? E quero colo também...

6 comentários:

Anônimo disse...

Olá, Yasmin!

Devo te contar que essa coisa de cócegas, ou tickling, pode ser mesmo muito prazerosa. Na verdade,eu conheço o outro lado da situação, ou seja: sou o que faz. E te garanto que um dia tive uma experiência assim, num quarto igualmente lílas, também com um espelho no teto e com outras tantas semelhanças. Mas houve uma diferença: eu gozei e percebi. E foi ótimo!!!
Como a vida é feita de capítulos, quem sabe quando eu tiver um desse mais recente eu não volte pra te contar?...

Andre.

Yasmin disse...

Oi André...

Espero que volte realmente para me contar...

Adoro somar experências...

Beijos


PS: Esqueceu de comentar o post anterior?

submissa flor de cristal{LB} disse...

Yasmin, fiquei extasiada aqui só te pensar no que vc sentiu. Quando eu era criança meu pai tinha mania de passar o queixo de barba por fazer e raspava nossos rosto e nós eu e meus irmãos grita de dor e alegria. Mas era uma coisa inocente ele era um pai amoroso demais com todos os sete filhos.Ai que saudades... :(

Mas lendo aqui nunca passei por esta incrível experiência e fiquei com vontade de experimentar rsrs. Deve ser incrível esta sensação,adorei ler seu relato.

Gostei muito de passar por aqui, vc escreve muito bem e tem poesias que se vc deixar gostaria muito de postar no meu blog, vc me permiti?

Agradeço sua presença e já estou te seguindo também.

Beijo carinhoso,

flor de cristal{LB} .

Yasmin disse...

Que bom que gostou...

Fico feliz.

Claro pode usar tudo o que gostar...

Beijos

Yasmin

myrah disse...

linda, que delícia de relato...
Fiquei com vontade de experimentar...rsrsrsrrs


Flores de myrAh

Yasmin disse...

É fácil conversa com seu Dono!!!!


Beijos

Yasmin