segunda-feira, 14 de março de 2011

Mais uma vez estou aqui pensando, analisando o que se passou e se passa em mim. Procurando uma visão mais ampla sobre o que penso ser o pertencer, a entrega e a submissão em si. Posso falar unica e exclusivamente sobre mim mesma, sobre os outros só posso lançar um olhar superficial, porque cada um de nós tem suas visões e vivências. Somos espectadores das vidas que se apresentam a nós. Em alguns casos podemos por vezes opinar em outros é melhor o distanciamento. Na maioria do tempo observo as experiências passadas para fazer um balanço do que consegui até aqui. Minha vida não se resume só a meu lado submissa, aliás é assim com todos nós. Tanto Dominadores como submissas tem suas vidas paralelas ou ditas normais, não sei qual seria a melhor definição. No meu caso é vida paralela. Minha pergunta a mim mesma: Qual delas é a paralela? Num primeiro momento diria ser a da parcela submissa. Mas com o passar do tempo descobri que a minha vida não é dividida dessa forma, o lado baunilha e o lado submisso. Sou um ser único, então como posso me dividir? Como posso hora ser de um jeito e depois de outro? Isso gerou uma certa confusão em minha mente. Aproveitando o fato de estar ausente do meio pelos mais variados fatores, passei a me analisar, a procurar respostas quanto a minha submissão. Levo uma vida normal, casa, trabalho, filhos, amigos. Nada demais, trabalho feito louca. Meu tempo sempre é corrido. Quando penso: Ufaaa hoje vou descansar, alguém liga e me pede algo. Filhos sempre precisam de auxilio. E os amigos, bem os amigos é com prazer que os ouço e me divirto com eles. Então onde se enquadra minha submissão? Bem, vou procurar um meio de me explicar e nem é para quem por acaso me ler e sim para mim mesma. Ou seja um trabalho árduo... Não pertenço a nenhum Dom já faz um bom tempo. Minha ânsia pelo pertencimento é uma constante. Hoje estou mais serena, no começo foi muito difícil. Hoje não estou muito boa para escrever então vou parando por aqui... Se me der na telha volto para terminar esse texto....

2 comentários:

Anônimo disse...

Olá, Yasmin!

O questionamento é fundamental para o conhecimento. (que frase boba, chega a ser piegas...)

O bom (ou não) é quando percebemos que, quanto mais questionamos, menos sabemos. E será que devemos saber? Será que não nos bastaria ser? Sentir? Viver?

Se não te der na telha de voltar para esse texto, volte para outro. Afinal, em meio a tantas dúvidas, temos uma certeza: seus textos são muito bons.

Um beijo,
Andre.

Yasmin disse...

Obrigada Andre.

Está com raiva de mim??

Beijos