domingo, 20 de março de 2011

Agradecimentos!!

Por esses tempos tenho andado sem uma percepção clara de mim mesma. Tenho conversado com algumas pessoas que considero especiais em minha vida. São pessoas que vivem vidas diferentes da minha, mas de alguma forma passaram a participar do meu quadro afetivo. Tenho uma Amiga que sabe de todas as minhas vivências sejam elas BDSM, espirituais, cotidianas e por aí vai. Nossa amizade é algo forte e consistente, mesmo sendo as duas pessoas de temperamentos tão díspares e ao mesmo tempo tão parecidas. Quando estava endoidando com o lance do BDSM sentamos e fomos analisar o que estava acontecendo. Claro que é não é fácil traduzir em palavras todos os meus sentimentos. Mas, ela me conhece bem então fica mais fácil de conversar e não existe um pré-julgamento. Em uma outra ponta conversei muito com uma amiga Domme que me esclareceu alguns pontos ainda obscuros para mim. Durante nossa conversa me deu um estalo, um clique que se juntou ao que minha Amiga já havia conversado comigo. Num primeiro momento o pânico me envolveu de forma densa e catastrófica. Meus primeiros movimentos, sempre são a negação e a fuga. Bem mais simples e normalmente mais seguro também. Como esperado, já dentro do padrão foi o que fiz. Mas, aí me peguei pensando: Quero viver minha sexualidade, explorar minha feminilidade e também aproveitar as chances que por vezes aparecem dentro do BDSM. No começo isso gerou internamente uma guerra fria, subversiva e até destrutiva. Explico a velha moral veio à tona e fui minha própria julgadora. Joguei pesado contra mim mesma. Fui num crescendo de velhos pré-conceitos e me deixando enredar por eles. Então essas pessoas começaram a conversar comigo. E passei a ouvi-las em silêncio para poder entender o que me diziam, sem julgamentos ou qualquer outro tipo de atitude, querendo assimilar o que me era descrito. Aos poucos a minha percepção foi se modificando e fui me reencontrando. Claro que ainda falta muito, mas já dei os primeiros passos. E percebo também a vontade de retroceder e ficar estagnada. Forço-me a caminhar e ir ao encontro dos meus anseios e desejos. Claro que muito do que desejo não está inserido no contexto BDSM, afinal somos todos multifacetados e minha vida não se restringe só a esse lado, embora me seja muito prazeroso estar envolvida com ele. Então defini metas e objetivos. O que venho dizendo a um Amigo para fazer, tomei para mim mesma o que foi dito e escrito entre nós. Cada caso é um caso, mas no geral bem que podemos usar a nosso favor vivências alheias, é o que procuro fazer, mas que nem sempre dá certo, seja dito a verdade. Minha Amiga sempre me diz que sou resistente a mudanças, o que é bem real. Talvez porque mudar significa muitas vezes deixar para trás algo que é ou foi muito importante em nossa vida. Mas a Vida caminha por estradas que nos conduzem a várias mudanças, aceitando ou não. Ela simplesmente nos conduz as mudanças necessárias, não quero com isso dizer que seja simples ou mesmo prazeroso, muitas vezes não é. Minha convicção é de que se a Vida nos trouxe até aqui é porque precisamos analisar e mudar determinados aspectos de nós mesmos. Mesmo quando estamos apaixonados e não somos retribuídos como gostaríamos, cabe a pergunta: Por que isso está acontecendo comigo? Será que precisava ser assim? A resposta muitas vezes não nos é satisfatória, brigamos, xingamos e todo o resto. Só que nada disso muda o fato em si. Então qual o movimento correto? Parar e se perguntar realmente o que isso significa na minha vida? O que isso pode ou não mudar nela? Estarei disposta (o) a isso? Ou é só meu orgulho querendo ter o que por vezes me é negado? Essa viagem interna é muito complicada. Cheia de altos e baixos, por vezes aterradora, mas muito compensadora. Fiz essa viagem recentemente e sendo muito sincera, foi uma loucura detectar meu medos e fantasmas. E isso porque ainda não cheguei ao fim dela. Só dei os primeiros passos e foi atordoante. Na verdade está sendo muito intenso isso tudo. Mas em algumas paradas, afinal preciso respirar, já posso detectar minhas vontades e desejos. O que ficou muito claro é a vivência de submissa me faz um bem tremendo e não vou mais fugir disso. Se por agora não tenho um Dono, vou me permitir ter encontros que me possibilitem isso ou ao menos o prazer em me sentir submissa ali naquele momento. Essa era uma barreira minha. Pensava que só poderia ter sessões ou encontros com o Dono, e com isso me fechava a novas experiências. Pois bem isso acabou. Vou viver minha submissão do modo como ela se apresentar sem querer padronizar algo. Tenho também dois amigos com quem divido meu modo de pensar. Um é Dominador, aliás já citado no texto e o outro um Homem que entrou na minha vida recentemente em quem confio e contei a ele situações que só a minha Amiga sabe. Então sou uma pessoa cercada pela graça dos Deuses, e devo me explorar para conhecer meus limites dentro e fora do BDSM. Citei essas pessoas no texto, sem nomes, para preservá-las, mas elas sabem muito bem quem são e o que significam pra mim. Talvez só o Dominador não tenha ciência, embora não me esconda e diga sempre que ele é meu Amigo, não só para sessões encontros, encontros sessões, mas para conversarmos sobre o que quisermos sempre. A Domme é uma mulher corajosa que se assume e me deu um importante ensinamento: SIGA OS SEUS DESEJOS e SEJA FELIZ, então seguindo o conselho lá vou eu. Quanto a minha Amiga, ela sabe o quanto significa e isso basta. A Amigo que chegou faz pouco tempo mas que demonstrou uma sensibilidade enorme, fica o agradecimento por me ler e comentar o que pensa. Poderia escrever aqui horas a fio sobre essas pessoas mas, seria entediante para quem irá ler. Espero que eles saibam de quem falo e que façam parte ainda da minha vida daqui a alguns anos. Enfim é mais ou menos isso que queria dizer....

2 comentários:

Anônimo disse...

Olá, Yasmin!

Já li ou ouvi em algum lugar, que amigos são irmãos que a gente escolhe. Isso é verdade e ainda tem uma vantagem: não sendo irmãos 'de verdade', a gente ainda pode escolher que tipo de relação vamos ter com eles...

Garanto os amigos citados saberão que são. E isso acaba sendo o de menos: o mais importante é saber da sua consideração.

Um beijo,
Andre.

Yasmin disse...

Ahhh André!!

Vc é fofo mesmo.

Espero que tenha se visto no texto. Afinal vc é um deles

Beijos

Yasmin