terça-feira, 25 de novembro de 2008

Palavras



Quanta saudade reprimida.
Quanto desejo insatisfeito.
Procuro-te por todos os cantos e nada.
A solidão é minha companheira,
mas nos meus sonhos estás ali...
Vibrante.
Sério.
Sarcástico e me entrego...
Sem meias medidas, sem ter uma rede de segurança.
Sou tua é só tomares posse.
Mas novamente falo ao vento.
Evaporaste e eu me quedo aqui
ainda em expectativa...
Será que voltas?
Não sei... só espero por ti.

Nenhum comentário: